5 de setembro de 2011

Ali vi ar

Quando sinto essa secura
Vem seus versos me molhar
Como chuva de ternura
Até o peito inundar

Eis que os olhos viram mar
Da água mais pura
Para a alma navegar

Nenhum comentário: